SEND US A MESSAGE

WhatsApp

Baixe nosso aplicativo
CFT DICTIONARY
Dicionário Inglês para Aviação

Logo-para-fundo-azul-2-img-638030-201907

©  CFT 2019. Direitos Reservados

HOW DO YOU HEAR ME? LOUD AND CLEAR? O PERIGO DAS FALHAS DE COMUNICAÇÃO EM INGLÊS

Domingo, 27 de março de 1977. Dois Jumbos (Boeing 747) colidem na pista do Aeroporto de Los Rodeos, em Tenerife, e causam a morte de 583 pessoas e ferimento de outras 61.


A causa principal do acidente?

Miscommunication (falha na comunicação).


Interpretação errônea da mensagem do Controlador de Voo, somado a um forte ruído no rádio e utilização de terminologia aeronáutica não convencional por parte dos Pilotos e do ATCO envolvido resultaram na maior catástrofe da história da aviação.


Uma das aeronaves (Pan Am 1736) estava efetuando backtrack (retorno ou taxiamento pela pista), enquanto o outro Jumbo (KLM 4805) aguardava a autorização de decolagem já alinhado na mesma pista. Com um forte sotaque holandês, o Comandante do KLM inicia, então, a rolagem, sem ter sido autorizado pelo ATCO (espanhol), que mal conseguia enxergar as aeronaves na pista devido ao mau tempo. A soma de diversos fatores - tendo como principal deles a falha de comunicação -selou a sorte das 644 pessoas que estavam a bordo dos dois aviões. Este é, sem dúvida, o acidente que serve de maior exemplo da importância da correta utilização da fraseologia aeronáutica. Em termos técnicos, dizemos que a colisão entre as duas aeronaves se trata de uma Runway Incursion (incursão em pista), definida pela ICAO (Organização Internacional de Aviação Civil) como uma “entrada não autorizada de uma aeronave, de um veículo ou de uma pessoa em uma pista em uso”.


Há inúmeros acidentes e incidentes aeronáuticos envolvendo misunderstandings (compreensão errônea de mensagens), o que forçosamente incentivou a ICAO a criar o Exame de Proficiência Linguística em Inglês para pilotos de todos os países membros da Organização.


Em 1990, um Boeing 707 da Avianca, de Bogotá para Nova Iorque, sofreu uma queda por pane seca, causando a fatalidade de 73 pessoas. Segundo a NTSB (National Transportation Safety Board), o motivo do acidente foi a falha da tripulação em declarar Fuel Emergencycorretamente aos controladores de voo. A aeronave possuía menos de cinco minutos de autonomia (low endurance), e o correto a ser declarado na fonia seria o termo Fuel Starvation(próximo a pane seca), e não Low Fuel(pouco combustível), como foi feito pela tripulação.


Estima-se que mais de 70% dos erros operacionais são ocasionados por miscommunication, e subdivide-se esse fator em quatro áreas:


1) Ansiedade do piloto em iniciar a incursão em pista.

2) Readbacks(cotejamentos) incorretos.

3) Falha do ATCO em reconhecer e corrigir o cotejamento incorreto.

4) Confusão (tanto por parte do piloto quanto do controlador) a respeito do call sign (indicativo de chamada).


A falta de fluência em Inglês aeronáutico pode ocasionar uma interpretação errônea da mensagem, possibilitando o acontecimento de um acidente ou incidente. No entanto, o uso excessivo de termos informais na fonia, bem como a velocidade excessiva na transmissão da mensagem também pode resultar em algo grave. Para garantir uma comunicação segura, recomenda-se:


1) Manter as instruções e mensagens curtas e claras.

2) Ao se comunicar com o ATCO, utilize frases com uma pequena pausa entre elas.

3) Peça a repetição de informação quando esta não for clara.

4) Inclua sempre o call signcompleto nas suas transmissões.

5) Coteje SEMPRE as autorizações e informações do ATCO previstas pela regulamentação (rota ATC; ingresso, decolagem e cruzamento na pista em uso, ajuste de altímetro, código SSR, nível, proa, velocidade e nível de transição).


Aos que utilizam a fraseologia aeronáutica inglesa, vale lembrar que há diferenças entre termos ICAO e FAA (Federal Aviation Administration). Observe esses exemplos:


Se tiver alguma dúvida a respeito de fraseologia ou fonia, escreva para contato@clearedfortakeoff.com.br


Sempre um prazer tê-los a bordo!

Cmte Aline Chelfo


Referências bibliográficas:

ICA 100-12 (DECEA)

Doc 9835 (ICAO)

Relatórios FAA e NTSB

http://www2.anac.gov.br/anac/pdf/proficiencia/SDEAModelo.pdf(

link do modelo de prova aplicado no Brasil pela ANAC).